Este blog contém posts e comentários.

Este blog recebe e agradece as visitas desde Fev/2009.

Contador de visitas

terça-feira, 10 de março de 2009

COMO NASCEM OS ...


PARADIGMAS


Alguma vez você se pegou fazendo alguma coisa que nem tinha tanto interesse? E como que, lavando a consciência explica para si mesmo: “Ah! Todo mundo faz assim, então, deve estar certo!

Vejam como James C. Hunter descreve um paradigma no livro “O Monge e o Executivo” na página 42, quando lhe pergunta o que é um paradigma:

“Padadigmas são simplesmente padrões psicológicos, modelos ou mapas que usamos para navegar na vida. Nossos paradigmas podem ser valiosos e até salvar vidas quando usados adequadamente. Mas podem se tornar perigosos se os tomarmos como verdades absolutas, sem aceitarmos qualquer possibilidade de mudança, e deixarmos que eles filtrem as novas informações e as mudanças que acontecem no correr da vida. Agarrar-se a paradigmas ultrapassados pode nos deixar paralisados enquando o mundo passa por nós.

Os paradigmas existem para serem quebrados, e podem ser classificados, não genericamente, como tabus, preconceitos, atrasos de vida, falta de atualização e treinamento, e algumas vezes levam a erros que são simplesmente explicados assim: “Sempre foi feito assim, então, não vejo porque mudar!”

Um antigo provérbio chinês diz o seguinte: “Se você não mudar a direção, terminará exatamente onde partiu.”

Quem não muda ou quebra os paradigmas raramente consegue sair do lugar de onde iniciou.

Vejam como nasce um paradigma:

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro colocaram uma escada e sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria (gelada mesmo) nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros enchiam-no de pancadas, batiam sem cessar.

Passado mais algum tempo, nenhum macaco tentava subir mais a escada, apesar de ser tentadora a visão da sua fruta predileta que vislumbra com abundância tão próxima de seus olhos. Então, os mesmos cientistas substituíram um dos cinco macacos. A primeira coisa que o pobre macaco fez foi subir a escada para colher as belíssimas bananas, sendo retirado de lá imediatamente pelos outros sob forte chuva de pancadas, surrando-o sem dó nem piedade.

Depois de algumas surras, o novo integrante assimilou a idéia do grupo e não tentou mais subir a escada, apesar de continuar lambendo o beiço cá debaixo.

Um segundo macaco foi substituído, e o mesmo aconteceu, tendo o primeiro macaco substituído participado com alegria e entusiasmo do corretivo que o grupo impôs ao segundo integrante substituído, o pobre novato.

Um terceiro macaco foi trocado, e repetiu-se o fato. E assim fizeram com o quarto, e , finalmente com o quinto e último dos veteranos sendo substituído todo o grupo.

Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse chegar às bananas.

Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: “Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui.”

E você, o que acha disto? Já tomou algum banho frio na sua vida?

Bom trabalho sucesso em sua luta contra os velhos paradigmas.

(a) Adm. Jésus Fernandes Leão


Nenhum comentário :

testando funcionalidade http://whos.amung.us/showcase/

estatistica em teste: whos.amung.us

?


AVISO ”A partir do ano 2017 todos os comentários somente serão respondidos se for indicado endereço de "email válido" para resposta, em virtude do grande número de solicitação de informações já postadas nos artigos!...”