Este blog contém posts e comentários.

Este blog recebe e agradece as visitas desde Fev/2009.

Contador de visitas

quarta-feira, 2 de junho de 2010

AUDITORIA


QUEM TEM MEDO DO AUDITOR?

Os trabalhos do Auditor são de extrema importância no desenvolvimento operacional, e, ajudam a dar mais confiabilidade às demonstrações contábeis exigidas por lei, valorizando o patrimônio social das organizações.

As instituições financeiras estão sujeitas a auditorias realizadas por auditores independentes, conforme determinação legal do Banco Central do Brasil, e as Sociedades por Ações são obrigadas pela Lei das S.A.s (Lei 6.404/76) em seu art. 177, parágrafo 3º.,a serem auditadas por auditores independentes registrados devidamente na CVM.

A presença do Auditor na organização é um excelente inibidor de fraudes e falhas humanas, haja vista que a presença do mesmo na organização fará com que os prováveis fraudadores tenham uma cautela maior nas suas tentativas de prejudicar o patrimônio social, e, quanto mais vezes o Auditor comparece nas empresas, mais difícil será executar operações fraudulentas, obrigando os “estelionatários” com esta mentalidade a procurar outro “nicho” no mercado.

O processo de auditoria é uma revisão detalhada dos procedimentos de rotina com o objetivo de checar, medir, acompanhar e comparar os resultados obtidos e detectar a necessidade de mudança de caráter corretivo ou preventivo, para que a organização retorne à linha de produção máxima com a utilização máxima dos recursos disponíveis, qualidade máxima e com um gasto mínimo.

A Auditoria é a responsável pela identificação da real situação em que a empresa se encontra, sem qualquer máscara, tornando as informações mais claras e acessíveis a todos os investidores e colaboradores.

Algumas organizações possuem seus próprios Auditores Internos, que acompanham e medem diuturnamente o desenvolvimento das operações estratégicas das empresas e os resultados alcançados: eficiência, eficácia, efetividade e ética.

O Auditor deve ter uma atitude que assegure que todas as suas ações de julgamento sejam pautadas nos seguintes aspectos: Comportamento Ético, Cautela e Zelo Profissional, Independência, Domínio Profissional, Imparcialidade, Objetividade, Atualização e Capacitação Técnica, Análise de Dados, Cortesia e Habilidade no Trato com as Pessoas e obediência a Hierarquias Funcionais.

O Auditor interno deve ser subordinado hierarquicamente ao cargo de nível mais elevado na organização, como o Presidente, Conselho de Administração ou Diretoria Executiva, a fim de evitar constrangimento profissional e a perda da autonomia, que são imprescindíveis para o desempenho de um trabalho de controle e assessoria adequados.

Até as décadas de 80 e 90 o Auditor era recebido nas empresas como um verdadeiro vilão que vinha para punir com rigor as pessoas que não se portassem adequadamente nas empresas, e todos se escondiam e evitavam se dirigir ao mesmo que ficava em seu canto escuro com uma nuvem escura sobre sua cabeça e todos somente viam problemas, fraudes, não conformidades e vícios rodeando o profissional da auditoria.

Atualmente essa ideia mudou, e os funcionários têm no Auditor um “amigo” que vem para auxiliar no processo de adequação de rotinas operacionais diárias com a finalidade de maximizar os lucros e minimizar os custos, mitigando as falhas dos processos e conseqüentemente da possibilidade de perdas operacionais e financeiras.

Os procedimentos de auditoria evidenciam para o auditor provas suficientes para fundamentar sua opinião sobre as demonstrações contábeis auditadas, possibilitando-lhe emitir um parecer a respeito das mesmas, reavaliando os controles internos, livros contábeis, documentos e registros da entidade confrontando informações, coletando provas e evidências.

Através de testes de aderência o auditor verifica a efetividade e continuidade dos controles internos, ou seja, se os controles previstos funcionam adequadamente e de fato ou apenas compõem um acervo bibliográfico formal composto de manuais que não são aplicados na rotina diária e contínua.

Com a aplicação de testes substantivos o Auditor ratifica a suficiência, exatidão e validade de todos os dados da entidade auditada, ou seja, se os saldos contábeis apresentados demonstram a situação real do patrimônio e suas variações.

O Auditor não é visto mais como aquele que vem para dividir, mas, sim para somar os seus conhecimentos e experiência com o objetivo de melhorar o desempenho operacional e financeiro das organizações, detectar e evitar erros, falhas e fraudes, mitigar riscos de perdas e inadequações, aumentando assim a eficiência e eficácia organizacional.

E você?
Ainda tem medo do AUDITOR?



(a) Adm. Jésus F. Leão


Visualizações desta Matéria:
 



Contador visitas

Nenhum comentário :

testando funcionalidade http://whos.amung.us/showcase/

estatistica em teste: whos.amung.us

?


AVISO ”A partir do ano 2017 todos os comentários somente serão respondidos se for indicado endereço de "email válido" para resposta, em virtude do grande número de solicitação de informações já postadas nos artigos!...”